.


DISCOS SATA

12/11/2011 10:00

Discos SATA

O padrão Serial ATA (S-ATA ou SATA) é um standard que permite a ligação de discos de armazenamento de elevado débito em computadores e dispositivos de armazenamento de informação digital(DVR, HD-TV, etc). O SATA utiliza comunicação série, uma linha de dados é utilizada para transmitir os dados e uma outra linha serve para a transmissão de avisos de recepção. Em cada uma destas linhas, os dados são transmitidos utilizando o modo de transmissão LVDS (Low Voltage Differential Signaling) que consiste em transferir um sinal sobre um fio e o seu oposto sobre um segundo fio a fim de permitir ao receptor reconstituir o sinal por diferença. Os dados de controlo são transmitidos sobre a mesma via que os dados utilizando uma sequência de bits específica para os distinguir.

disco rígido SATA
Disco Rígido SATA

O padrão SATA

O padrão Serial ATA apareceu em Fevereiro de 2003 a fim de compensar as limitações da norma ATA (mais conhecida sob o nome "IDE"e retroactivamente chamada Parallel ATA), que utiliza um modo de transmissão em paralelo. Com efeito, o modo de transmissão em paralelo não foi pensado para suportar frequências elevadas devido aos problemas ligados às interferências electromagnéticas entre os diferentes cabos de interligação. O disco continua a utilizar a tecnologia de gravação electromagnética, difere sobretudo no standard de comunicação.
 

Cabos de ligação SATA

A identificação de que o disco é sata, faz-se facilmente olhando para o cabo de ligação, enquanto o IDE tem um cabo paralelo de 40 condutores, o SATA tem um cabo com 7 condutores com um ficha (conetor) de 8mm. Os cabos podem medir até 1 metro ao contrário dos utilizados nos discos IDE que apenas podiam ter no máximo 45 cm.

 

ficha de ligação disco serial ATA cabo de dados SATA conetor SATA motherboard
Pino Função
1 Massa
2 A+
3 A-
4 Massa
5 B-
6 B+
7 Massa
A e B representam as linhas de dados

Três cabos ligam à massa quatro servem para transmissão de dados. A ficha(conetor) de alimentação é diferente da utilizada no IDE e no SCSI, 

 

 

Cabos de Alimentação Disco SATA

ficha de alimentação disco serial ATAcabo de alimentação SATAconetor SATA motherboard

 

A alimentação é de 3.3V, 5V e 12V, no entanto,  As fichas(conector) Molex de 4-pinos não fornecem 3.3 V, têm tensão de 5 V e 12 V, deixando as linhas de 3.3 V desligadas.  A maior parte dos fabricantes de modo a compatibilizar com as fontes ATX existentes, têm deixado os pinos de 3,3 V desligados. Os pinos com tensão de alimentação estão ligados 3 a 3 para que a corrente necessária ao funcionamento circule sem danificar os cabos individuais.

Pinos Função
1,2,3 3,3V
4,5,6 Massa
7,8,9 5V
10,*11,12 Massa
13,14,15 12V
* 11 pode ser utilizado para Staggered Spinup nos discos que o suportem

Características Técnicas Disco SATA

O SATA permite obter taxas de transferência de 87.5 MB/s (1,5 Gb/s), cada byte é transmitido com um bit de arranque (start bit) e um bit de paragem (stop bit), um débito útil de 150 MB/s (1,5 Gb/s). O padrão Serial ATA II deveria permitir chegar aos 375 MB/s (3 Gb/s), ou 300 MB/s úteis teóricos.

A primeira geração Serial-ATA, também conhecida como SATA/150 ou SATA I, funciona a 1,5 gigahertz. A transferência de dados é de 1,5 gigabits por segundo ou 150 megabytes por segundo. Com o chipset NVIDIA nForce4 em 2004 o clock dos Discos Rígidos SATA foi duplicada chegando a 3.0 GHz com uma transferência máxima de 300 MB/s. SATA II é geralmente compatível com SATA I, tanto de SATA II para SATA I quanto ao contrário, o que permite usar os mesmos plugs e os mesmos cabos. No entanto alguns sistemas não suportam a velocidade SATA II e a velocidade do clock deve ser limitada manualmente para 150 Mb/s por meio de um jumper. A tecnologia SATA II também é conhecida como SATA/300.

  • SATA 1,5Gb/s >> 1500Mhz Velocidade Máxima Teórica >>150MB/s
  • SATA 3,0Gb/s >> 3000Mhz Velocidade Máxima Teórica >>300MB/s

Outras Características

  • Hot Swap: esta caracteristica permite trocar o disco mesmo ligado, é muito útil para substituíção ou troca de discos em máquinas que não podem parar como por exemplo os servidores de web;
  • Podem ser ligados em SAS (Serial Attached SCSI) e comunicar no mesmo cabo físico;
  • Codificação 8B/10B a mesma usada no fast ethernet.

 

eSATA (External SATA)

  • eSATA é um standard que surge 2004, é uma variante do SATA para ligações externas de dispositivos. As ligações de alimentação, cabos e fichas são diferentes do SATA convencional. Esta tecnologia permite uma taxa de transferência próxima do disco instalado internamente.eSATA e SATA

 

  • O protocolo é idêntico ao SATA (link/transport-layer), permitindo a ligação de discos SATA nativos externamente com o mínimo de modificações;
  • Dimensão máxima do cabo 2 metros (USB e FireWire permitem distâncias maiores);
  • No computador é ligado normalmente a uma porta SATA.

 

Esta tecnologia está a ser muito utilizada em receptores de HD, VDR, set-top box de receptores de satélite , IP TV e TV digital, porque permite armazenar uma grande quantidade de dados com um espaço físico muito reduzido. Basicamente, em alguns televisores, receptores de satélite, VDR que tenham uma tomada eSATA, basta colocar um disco externo SATA e os equipamentos ficam com possibilidade de gravar e armazenar mídia (audio, movies etc).
Receptor Satélite com eSATA


A maior parte está preparado para instalar o disco externo, mas nem todos, alguns aparelhos não trazem software que permita a leitura do disco externo, se tem um equipamento experimente primeiro. Alguns destes dispositivos não permitem gravar no dispositivo e visualizar noutro dispositivo, a gravação é encriptada e apenas funciona no dispositivo onde está a funcionar. Também os discos internos dos alguns dispositivos estão protegidos impedindo a sua utilização noutro equipamentos.



Receptor Satélite com eSATA

 

—————

Voltar